Entregabilidade: Técnicas para tornar suas campanhas de e-mail marketing um sucesso!

Artigo

Entregabilidade: Técnicas para tornar suas campanhas de e-mail marketing um sucesso!

O e-mail marketing ­é uma ferramenta que, ultimamente, graças ao avanço das tecnologias de automação de marketing, tem se tornado uma das formas mais eficientes para enviar a mensagem adequada à pessoa certa e no momento mais oportuno.

Baseada na comunicação direta entre determinada empresa e seus clientes ou leads via e-mail, essa estratégia tem evoluído bastante. Os provedores de e-mail, cada vez mais, buscam garantir uma experiência segura e responsável para seus usuários e, para isso, criaram processos e sistemas que otimizam e regulamentam o uso desse canal.

Para uma maior eficiência do e-mail marketing, é essencial conhecer seus processos e fazer uso de determinadas práticas. Dessa forma, é possível garantir uma entregabilidade saudável.

Para entender o que é entregabilidade e como conseguir bons resultados nesse quesito, continue a leitura e descubra como tornar o e-mail marketing um diferencial da sua empresa.

Entregabilidade: um ciclo do envio à entrega

O e-mail marketing passa por todo um processo até que a mensagem seja entregue ao destinatário. E é importante conhecer esse caminho para que haja maior entendimento da ferramenta e para se otimizar sua entregabilidade. Ocorre da seguinte forma:

  • A mensagem é enviada pelo remetente;
  • O e-mail é codificado pelo servidor remetente e parametrizado para envio pela internet;
  • Ao receber o pedido de entrega da mensagem, o servidor do destinatário realiza uma série de verificações para certificar a autenticidade e a reputação do remetente;
  • Se essas verificações obtiverem resultado positivo, o e-mail é entregue (na caixa principal ou na caixa de spam).

A entregabilidade é a métrica que avalia quantas das mensagens enviadas passaram por todas essas etapas e chegaram com sucesso ao destinatário. Aquelas que não passam nas verificações dos provedores, não são entregues.

Para que a entregabilidade do seu e-mail marketing seja considerada saudável, é necessária uma taxa acima de 95%. Obviamente, quanto mais alta essa taxa, maior a efetividade da estratégia. Por isso, o ideal é que ela se aproxime dos 99%.

Fatores para uma boa entregabilidade

Para melhorar e qualificar o uso do e-mail marketing, os provedores possuem um conjunto de fatores e de verificações. São eles:

Reputação do IP: Todo e-mail enviado está atrelado a um IP, que é o seu endereço numérico na internet, o qual pode ser compartilhado ou dedicado. Para facilitar a identificação de remetentes de spam e melhorar a experiência dos usuários, cada IP possui uma reputação, que é uma nota a ele atribuída pelos provedores, a qual está relacionada ao uso das boas práticas de e-mail marketing. Esse número varia de 0 a 100; quanto maior, mais confiável é o remetente e melhor tende a ser sua entregabilidade. Quanto menor, pior.

Dica: Return Path e Sender Score são exemplos de ferramentas em que a reputação do seu IP pode ser consultada.

Bounce rates: Bounce é o nome que se dá aos erros na entrega de um e-mail. Um bounce pode ser temporário (soft bounce), por exemplo, uma caixa de entrada cheia, ou permanente (hard bounce), como um endereço de e-mail inválido. Quando há um alto percentual de bounce, a reputação do seu IP pode ser reduzida.

Engajamento: É o número de pessoas que clicam nos seus e-mails. Quando maior o seu engajamento, maior a sua reputação e, consequentemente, sua entregabilidade.

Volume e frequência: O volume e a frequência dos seus envios também são avaliados pelos provedores. Os spammers têm a característica de enviar uma grande quantidade de e-mails de forma frequente. Isso diminui a sua entregabilidade, afinal, ao realizar ações de disparo dessa forma, não se cria um relacionamento com o destinatário.

Marcação de spam: Quando um usuário marca seu e-mail como spam, a consequência para a reputação do seu IP pode ser bem danosa. Quando isso acontece, é recomendável não enviar mais qualquer e-mail para esse usuário.

Spam traps: Spam traps são “armadilhas” criadas pelos provedores de e-mail para identificar remetentes de spam que compram listas de e-mail ou não fazem uma higienização adequada. O provedor cria um e-mail ou pega uma conta inativada para usar como armadilha.

Quando e-mails criados recebem alguma mensagem, isso sinaliza aos provedores que o remetente pode ter comprado uma lista de e-mails, pois aquela conta não havia se inscrito organicamente em lugar algum. Já os endereços inativos reaproveitados para as armadilhas podem indicar que o remetente não faz a adequada limpeza da lista e, com isso, continua-se enviando mensagens para essas contas.

Blacklists: São bancos de dados em tempo real que indicam endereços de IP (ou domínio) suspeitos de enviar spams. São criadas por provedores de internet ou organizações que estimulam boas práticas de e-mail marketing.

Boas práticas para garantir a entregabilidade saudável dos seus e-mails

Por se tratar de uma das estratégias que, quando bem executadas, apresentam melhores resultados, uma boa entregabilidade do seu e-mail marketing exige questões bem técnicas e de rotina.

Para ajudar as suas campanhas de e-mail marketing a conquistar taxas de entregabilidade saudáveis, seguem abaixo algumas técnicas e estratégias:

  1. SPF (Sender Policy Framework): Configurar o SPF é importante, pois ele serve para identificar se o servidor ou os endereços de IP estão autorizados a enviar e-mails utilizando aquele domínio. Tem a função de prevenir que outras pessoas se passem por sua empresa, com o intuito de aplicar golpes. Quando o SPF do e-mail é invalido, a mensagem é descartada e, portanto, não é entregue ao destinatário. Pelo site oficial do SPF você consegue obter mais detalhes: http://www.openspf.org/.
  2. DKIM (DomainKeys Identified Mail): Funciona como uma assinatura digital criptografada e garante a autenticidade do remetente. O DKIM também certifica que o conteúdo do e-mail não foi alterado durante o envio até chegar à caixa de entrada do destinatário. No link http://www.dkim.org/ você acessa o site oficial para acessar todas as informações.
  3. DMARC (Domain-Based Message Authentication, Reporting and Conformance): É uma nova autenticação, baseada na SPF e DKIM. Valida o remetente e o conteúdo, ajuda a identificar falhas e inconsistências no disparo e permite configurar a ação que deve ser tomada caso exista algum erro com a mensagem: rejeitar o e-mail, enviar para o spam, entre outras. No site oficial do DMARC (https://dmarc.org/) você pode obter mais detalhes.
  4. [CM1] 

Rotinas e ferramentas que podem melhorar sua entregabilidade

  1. Feedback loop: O sistema de feedback loop inativa automaticamente as leads que marcaram um e-mail seu como spam. Isso evita que você continue disparando e-mails para quem já lhe marcou como spam. Pode ser feito por ferramenta de automação ou configurado manualmente.
  2. Adicione seu domínio em whitelist: Opostas às blacklists, as whitelists identificam IPs confiáveis. O dnswl.org é um exemplo de site que realiza esse trabalho de forma gratuita. Porém, a melhor forma de aumentar sua reputação é ser adicionado à lista de contatos pessoais dos seus leitores por eles próprios. Você pode sugerir essa inclusão no e-mail de boas-vindas, por exemplo.
  3. Double opt-in: Trata-se de um sistema de confirmação dupla para cadastramento de e-mail. Apesar de exigir do seu potencial cliente um passo a mais para aderir à sua lista, o double opt-in garante uma lista mais engajada, o que aumentará, consequentemente, as taxas de abertura e clique dos e-mails futuros.
  4. Quando a pessoa se cadastra em uma página de captura, ela precisa reafirmar seu interesse e sua permissão ao clicar no link de confirmação disparado logo no primeiro e-mail após a inscrição.
  5. Inclua link de descadastro: Para reduzir as chances de que seu e-mail seja marcado como spam, é sempre importante incluir link para descadastro em todas as mensagens enviadas. Como dito anteriormente, receber uma marcação como spam é extremamente danoso para o IP e essa é uma ação que minimiza esse risco. Além disso, mostra respeito com o destinatário e ainda mantém sua base ativa e engajada.
  6. Higienize sua lista: Pra evitar ser pego nas spam traps com e-mails inativos, como explicamos anteriormente, é essencial realizar a higienização dos contatos constantemente. Outro benefício da higienização é a qualificação da lista, o que a aumenta as taxas de abertura e os cliques.
  7. Não compre listas de e-mails: Pelo mesmo motivo citado acima, escapar das spam traps, jamais compre listas de e-mails. Além de tudo o que já foi apontado, os contatos presentes na lista não autorizaram a inclusão e, provavelmente, não têm interesse em se comunicar com sua empresa. Essa é uma ação que não traz retorno positivo e que pode incluir seu IP em blacklists.
  8. Uso moderado de imagens e alt text configurado: Atualmente, os filtros dos provedores são cada vez mais inteligentes na busca por spams. O excesso de imagens é um sinal de alerta para essas ferramentas. Por isso, recomenda-se que o uso de imagens seja moderado e que o campo alt text (texto alternativo) esteja sempre configurado.
  9. HTML limpo e que não ultrapasse 102k: É essencial que o HTML do seu e-mail possua um código limpo. Além de ser uma boa prática em SEO, essa ação é um grande diferencial para sua entregabilidade. Além disso, manter o código limpo ajuda a reduzir o peso do HTML.
  10. Um e-mail com template HTML com código desorganizado, que contenha erros e códigos desnecessários, pode ser bloqueado pelos provedores ou direcionado para a caixa de spam.

Conclusão

Todas essas ações e técnicas, associadas a e-mails bem escritos e com conteúdo interessante, disparados de forma segmentada, prometem entregar resultados incríveis à sua estratégia de e-mail marketing. Não é fácil, mas quem atende a todas elas pode obter um ótimo retorno. Aqui na Átimo você encontra dicas de boas práticas sobre Marketing Digital que podem transformar o seu negócio! Continue por aqui!


 [CM1]Google Post Master Plus. Adicionar como ferramenta

12/11/2020 - 16:47